Tendências primavera verão

As temperaturas começam a subir e nossos olhares voltam-se para as vitrines, em busca das novidades da moda para a temporada de verão.

Valorizar o bronzeado, ficar bonita e confortável em altas temperaturas são algumas das nossas preocupações na escolha do visual para a época mais quente do ano. Conferimos o que foi mostrado nos principais desfiles e selecionamos os pontos fortes da próxima estação:

Cores
O verão 2006 promete ser o mais colorido dos últimos anos. Não por suas cores vibrantes e misturas inusitadas, mas por permitir o uso de diversas cores e tonalidades. Estarão em alta desde tons pastéis, opacos e suaves até cores vibrantes e fortes, como amarelos, verdes, laranjas e azuis.

Branco
Esta cor merece uma especial atenção, pois será visto em looks completos, 100% brancos! Em composições leves e perfeitas para o calor, o branco cria um visual elegante e fresquinho.

Estampas
Elas estarão por toda parte, enfeitando peças inteiras ou dando um toque em golas e detalhes. Florais de todos os tamanhos, motivos étnicos, geométricos e de bichos vem com força total e devem ser usados para criar um visual marcante e de personalidade.

Decotes e recortes
Os recortes, em locais estratégicos, vêm para marcar a silhueta, afinando a cinturinha e ressaltando seus pontos fortes. Os decotes e recortes aparecem em diversas peças, podendo ser nas laterais, nas costas ou destacando o colo. Use-os sem medo!

Feito a mão
As peças artesanais imperam neste verão, seja em bordados, crochês e rendas ou em acessórios feitos de palha e outros materiais naturais. Invista em uma boa peça artesanal, pois ela deixará qualquer produção com a cara da estação!

Inocente sedução
Detalhes delicados, rendas, babadinhos e peças com cara de boneca fazem parte do novo jeito de ser sensual sem mostrar demais. Deve ser usado com moderação, unindo uma peça “de menina” com outras mais estruturadas, para não ficar com um visual infantil!

Formas e comprimentos
Modelos levemente ajustados, amplos e esvoaçantes, são a principal novidade nas peças do verão 2006. Batas, caftas (blusa ampla, bem solta), saias e vestidos fluidos deixam você confortável e sensual sem marcar demais o corpo.

Todos os comprimentos serão usados, mas as saias e vestidos longos chegam para marcar território, sendo usados inclusive durante o dia!

Aposte num longo esvoaçante e estampado para enfrentar o calor durante o dia, combinando com sandálias rasteiras ou com salto anabela.

Cha cha cha só para mulheres

Academia Competition lança aula exclusiva de dança de salão só para mulheres que trabalha corpo, mente e a sensualidade. O resultado é mais desenvoltura e menos 500 calorias por aula

Que tal começar o verão com o corpinho enxuto e com pronta para as pistas de dança? É com esta proposta que a academia Competition lança, com exclusividade, a aula de Dança de Salão Feminina. Além de ensinar às alunas os mais diversos passos, a aula ainda é ótima para melhorar a postura, o condicionamento físico, a coordenação motora e a percepção corporal. E mais: alivia o estresse e, de quebra, queima ao menos 500 calorias!

Segundo o coordenador de ginástica da Competition, Marcelo Nunes, além de enxugar as gordurinhas, a aula – que envolve diversos ritmos como salsa, merengue, samba, cha cha cha e forró – trabalha os músculos das pernas, glúteos e abdômen.

Feminismo à parte, a ausência de homens na aula deixa as mulheres mais desinibidas para aprenderem. “É uma aula que, acima do condicionamento físico, faz com que a mulher se descubra, trabalhando mais a sensualidade, o que não é normal em outras aulas de ritmos” – afirma Anita que estava sofrendo com sintomas da dengue no dia” – afirma.

Não precisa ser dançarina para participar da aula. Os exercícios são aplicados passo a passo, primeiro de frente para o espelho, copiando o professor, e, num segundo momento, as alunas passam a criar seus próprios movimentos.

Todos os exercícios aplicados durante a aula trabalham equilíbrio, respiração, contração do abdômen e a desenvoltura. “Logo após três sessões, as alunas já se sentem melhor e passam a dançar com mais performance” – afirma o professor.

Mais informações sobre emagrecimento, alimentação saudável doenças e até mesmo quais os sintomas da dengue, vá até o site www.saudeprospera.com.br

Com uma hora de duração, a aula acontece na unidade as terças (08h15) e quintas-feiras (10h45).

Ideologia do Bnei Akiva

Rav Kook

O movimento iluminista mudou profundamente o perfil do povo judeu, principalmente durante o século 19. Neste período, muitos judeus abandonaram as tradições e a Torá de seu povo para seguir uma vida ‘normal’ como cidadãos nos países em que residiam. Outros, inspirados pelo sofrimento ou por sua conexão especial com o povo, começaram a levantar as bandeiras que levariam ao sionismo e à criação do Estado de Israel.
Em contrapartida, os religiosos ortodoxos, assustados com este processo sem precedentes, reagiram, afastando-se daqueles que buscavam a modernidade e colocando cada vez mais barreiras entre eles mesmos e tudo o que representasse o mundo moderno. Neste mundo moderno encontrava-se também o sionismo moderno, que buscava a criação de um Estado na Palestina e, portanto, também esta idéia era repugnada e rechaçada pelos ultra-ortodoxos.

Surgiu então a figura de um grande rabino que pensava a frente de seu tempo. O rabino Avraham Itzchak HaCohen Kook nasceu em Látvia (1865) e estudou na Ieshivá de Volozhin, sendo aluno do grande rabino Naftali Tzvi Berlin (conhecido como Natziv).

O rabino Kook percebeu que o povo estava se dividindo em dois. Ele percebeu também o grande valor da causa sionista e o valor de cada pessoa, religiosa ou não, que participava deste grande empreendimento.

O rabino Kook apoiou abertamente o sionismo, considerando um processo bom para o povo e do qual todos deveriam tomar parte. Ele conclamou os religiosos a fazerem parte do movimento sionista e se tornou o primeiro Rabino-Chefe de Israel. Ele via no retorno do povo judeu para sua Terra especial e querida um grande feito. Visitava kibutzim de movimentos sionistas não-religiosos, os ajudava e defendia diante do mundo ortodoxo. Infelizmente, o rabino Kook faleceu em 1935, antes de poder vislumbrar a criação do Estado de Israel.

Seu filho, o rabino Tsvi Iehudá HaCohen Kook, seguiu seu caminho e publicou a maioria dos manuscritos de seu pai. O rabino Kook deixa transparecer em seus escritos um grande amor pelo povo de Israel e uma enorme preocupação por sua união. O Bnei Akiva é inspirado principalmente nos ensinamentos do Rav Kook.

O Lema

O lema do Bnei Akiva é Tora Vaavodá. Duas palavras que representam uma forma de viver: o cumprimento de Mitzvots (Torá) sem deixar de lado  o trabalho em prol da construção da nação de Israel. O lema é representado pelas letras Taf e Ayin no semel do Bnei Akiva, que será apresentado mais na frente.
Em todos os seus 80 anos de existência, o Bnei Akiva hasteou a bandeira de Tora Vaavodá, educando seus milhares de chaverim e seguirem uma vida de tora e Mitzvot, e ao mesmo tempo se disponibilizando a participar de qualquer ato sionista e nacionalista. O bnei Akiva assim tornou- se o projetor de um espírito de união do povo em si e com sua terra. Os adeptos do movimento aprofundaram- se no estudo da Tora, construíram inúmeras Yeshivot (seminários rabínicos), e encarregaram- se da missão de povoar e defender todo o território da terra de Israel.
Fora de Israel, o Bnei Akiva procura educar seus chanichim, enfatizando a Aliá e participando de atos que incentivam a mesma.
Seguindo os ideais de Rabi Akiva de Messirut Nefesh e Ahavai Clal Israel, o Bnei Akivo foi e será um forte veículo para a Gueulá Shlemá.

Os objetivos

– Promover a união de todas as partes do povo de Israel;
– Educar uma geração de jovens comprometidos com a Torá, com o Povo de Israel e com a Terra de Israel; (Am Israel BeEretz Israel Al Pi Torat Israel)
– Ajudar a desenvolver a sociedade em Israel, participando ativamente desta: servindo o exército, serviço social e tudo aquilo que possa contribuir para a sociedade;
– Desenvolver a sociedade em Israel para que esta seja mais correta e mais justa, de acordo com as tradições do povo judeu;
– Combater a assimilação do povo judeu, principalmente na diáspora;
– Promover o sionismo e a aliá na diáspora, fortalecendo assim o Estado de Israel e o seu povo;